tema: Confissão

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

tema: Confissão

Mensagem  João Victor em Qui Fev 10, 2011 9:06 pm

Ola pessoal, vou falar sobre uma estruturação de encontro para este tema, para isso seguiremos os passos de uma boa confissão.

antes de mais nada é bom falar quando que é necessário a confissão. A confissão é necessária quando perdemos o nosso estado de graça, isto é , estamos em pecado com Deus, ferimos a nossa amizade com ele, pecamos gravemente com Deus.

Esses pecados graves estão ligados diretamente com os 10 mandamentos e ferem a amizade com Deus e com o Próximo (ver catecismo que postarei abaixo)


Passos para uma boa confissão


-Exame de consciência;


Nesta parte seguimos com o folheto que entreguei para vocês, começamos meditando a palavra de Deus, e então pensamos nos pecados que fizemos.

-Contrição

Após pensar nos pecados que fez (até mesmo no próprio ato de pensar em um pecado que cometeu) sinta-se arrependido, querendo não comete-lo mais, querendo o perdão de Deus para que sua amizade se permaneça para sempre

-Confissão;

Pode ser seguida no folheto

-Satisfação/penitência.

tem uma parte no folheto, e também incentiválos a ver a penitência não como um castigo, mas como algo importante, pois recebemos o perdão de Deus então devemos estar felizes com Cristo. Ver também que Quando pecamos estamos ferindo nossa fé e para aumentá-la após a confissão nada melhor que fazer uma oração que o Padre, representante de Deus no momento da confissão nos pede a fazer, é uma forma de podermos reavivar esta fé que machucamos e reparar as marcas que o pecado deixou.

===================
Dicas: fazer uma encenação com as crianças de uma confissão,
pedir que elas possam ir examinando sua consciencia desde agora , e a cada dia para que pecando possa pedir perdão a Deus e mude de vida, mesmo não pecando grave devemos ter a conscienca de procurar nunca pecar, pois o pecado leve, pecando-se muitas vezes fica pesado e um pecado mortal fica facil de acontecer.


um abraço galera, fiquem com Deus e até sabado
avatar
João Victor
Admin

Mensagens : 87
Data de inscrição : 09/03/2010
Idade : 26
Localização : Terra-via láctea-girando em torno de um buraco negro

Ver perfil do usuário http://catequese.forumeiro.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

catecismo da igreja catolica

Mensagem  João Victor em Qui Fev 10, 2011 9:10 pm

IV. A gravidade do pecado: pecado mortal e pecado venial

1854. Os pecados devem ser julgados segundo a sua gravidade. A distinção entre pecado mortal e pecado venial, já perceptível na Escritura (94), impôs-se na Tradição da Igreja. A experiência dos homens corrobora-a.

1855. O pecado mortal destrói a caridade no coração do homem por uma infracção grave à Lei de Deus. Desvia o homem de Deus, que é o seu último fim, a sua bem-aventurança, preferindo-Lhe um bem inferior. O pecado venial deixa subsistir a caridade, embora ofendendo-a e ferindo-a.

1856. O pecado mortal, atacando em nós o princípio vital que é a caridade, torna necessária uma nova iniciativa da misericórdia de Deus e uma conversão do coração que normalmente se realiza no quadro do sacramento da Reconciliação:

«Quando [...] a vontade se deixa atrair por uma coisa de si contrária à caridade, pela qual somos ordenados para o nosso fim último, o pecado, pelo seu próprio objecto, deve considerar-se mortal [...], quer seja contra o amor de Deus (como a blasfémia, o perjúrio, etc.), quer contra o amor do próximo (como o homicídio, o adultério, etc.) [...] Em contrapartida, quando a vontade do pecador por vezes se deixa levar para uma coisa que em si é desordenada, não sendo todavia contrária ao amor de Deus e do próximo (como uma palavra ociosa, um risco supérfluo, etc.), tais pecados são veniais» (95).

1857. Para que um pecado seja mortal, requerem-se, em simultâneo, três condições: «É pecado mortal o que tem por objecto uma matéria grave, e é cometido com plena consciência e de propósito deliberado» (96).

1858. A matéria grave é precisada pelos dez Mandamentos, segundo a resposta que Jesus deu ao jovem rico: «Não mates, não cometas adultério, não furtes, não levantes falsos testemunhos, não cometas fraudes, honra pai e mãe» (Mc 10, 18). A gravidade dos pecados é maior ou menor: um homicídio é mais grave que um roubo. A qualidade das pessoas lesadas também entra em linha de conta: a violência cometida contra pessoas de família é, por sua natureza, mais grave que a exercida contra estranhos.

1859. Para que o pecado seja mortal tem de ser cometido com plena consciência e total consentimento. Pressupõe o conhecimento do carácter pecaminoso do acto, da sua oposição à Lei de Deus. E implica também um consentimento suficientemente deliberado para ser uma opção pessoal. A ignorância simulada e o endurecimento do coração (97) não diminuem, antes aumentam, o carácter voluntário do pecado.

1860. A ignorância involuntária pode diminuir, ou mesmo desculpar, a imputabilidade duma falta grave. Mas parte-se do princípio de que ninguém ignora os princípios da lei moral, inscritos na consciência de todo o homem. Os impulsos da sensibilidade e as paixões podem também diminuir o carácter voluntário e livre da falta. O mesmo se diga de pressões externas e de perturbações patológicas. O pecado cometido por malícia, por escolha deliberada do mal, é o mais grave.

1861. O pecado mortal é uma possibilidade radical da liberdade humana, tal como o próprio amor. Tem como consequência a perda da caridade e a privação da graça santificante, ou seja, do estado de graça. E se não for resgatado pelo arrependimento e pelo perdão de Deus, originará a exclusão do Reino de Cristo e a morte eterna no Inferno, uma vez que a nossa liberdade tem capacidade para fazer escolhas definitivas, irreversíveis. No entanto, embora nos seja possível julgar se um acto é, em si, uma falta grave, devemos confiar o juízo sobre as pessoas à justiça e à misericórdia de Deus.

1862. Comete-se um pecado venial quando, em matéria leve, não se observa a medida prescrita pela lei moral ou quando, em matéria grave, se desobedece à lei moral, mas sem pleno conhecimento ou sem total consentimento.

1863. O pecado venial enfraquece a caridade, traduz um afecto desordenado aos bens criados, impede o progresso da pessoa no exercício das virtudes e na prática do bem moral; e merece penas temporais. O pecado venial deliberado e não seguido de arrependimento, dispõe, a pouco e pouco, para cometer o pecado mortal. No entanto, o pecado venial não quebra a aliança com Deus e é humanamente reparável com a graça de Deus. «Não priva da graça santificante, da amizade com Deus, da caridade, nem, portanto, da bem-aventurança eterna» (98).

«Enquanto vive na carne, o homem não é capaz de evitar totalmente o pecado, pelo menos os pecados leves. Mas estes pecados, que chamamos leves, não os tenhas por insignificantes. Se os tens por insignificantes quando os pesas, treme quando os contas. Muitos objectos leves fazem uma massa pesada; muitas gotas de água enchem um rio; muitos grãos fazem um monte. Onde, então, está a nossa esperança? Antes de mais, na confissão...» (99).

1864. «Todo o pecado ou blasfémia será perdoado aos homens, mas a blasfémia contra o Espírito não lhes será perdoada» (Mt 12, 31) (100). Não há limites para a misericórdia de Deus, mas quem recusa deliberadamente receber a misericórdia de Deus, pelo arrependimento, rejeita o perdão dos seus pecados e a salvação oferecida pelo Espírito Santo (101). Tal endurecimento pode levar à impenitência final e à perdição eterna.

avatar
João Victor
Admin

Mensagens : 87
Data de inscrição : 09/03/2010
Idade : 26
Localização : Terra-via láctea-girando em torno de um buraco negro

Ver perfil do usuário http://catequese.forumeiro.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum